Samsung se manteve na liderança na região
Divulgação/Samsung
Samsung se manteve na liderança na região

O mercado de celulares da América Latina teve uma pequena retração. É o que mostra um levantamento da Canalys divulgado nesta terça-feira (31), que relatou uma queda de 3% no primeiro trimestre de 2022 e acumulou 31 milhões de telefones vendidos. A Samsung permaneceu na liderança na região.

Os indicadores mostram as empresas que mais se destacaram no bloco. Segundo o relatório, na comparação anual, a Samsung manteve a sua participação de mercado de 43%. Ainda assim, a companhia teve uma queda de 2% em 2022, depois que vendeu 13,4 milhões de celulares. No 1º trimestre de 2021, foram 13,6 milhões de unidades.

A Lenovo, proprietária da Motorola, vem em segundo lugar. A fabricante abocanhou 18% do mercado após comercializar 5,5 milhões de celulares. Em relação ao mesmo período do ano passado, a empresa teve uma queda de 20%, quando acumulou 6,9 milhões de smartphones vendidos nos três primeiros meses de 2021.

A Apple, por outro lado, teve um aumento de 16% no período. Ao todo, a companhia vendeu 1,5 milhão de unidades na região, acumulou 5% de participação de mercado e alcançou a quarta colocação. De acordo com a consultoria, o lançamento da linha iPhone 13 ajudou a dar tração no crescimento da marca no bloco.

Marcas chinesas cresceram na região

A Xiaomi alcançou a terceira colocação com 14% do mercado latino-americano. Ao todo, a marca chinesa vendeu 4,3 milhões de smartphones, um salto de 18% em relação ao primeiro trimestre de 2021, quando vendeu 3,6 milhões de unidades. Em quinto lugar, a Oppo teve um market share de 3% e aumento de 34%.

Segundo analista sênior e gerente LATAM da Canalys, Damian Leyva-Cortes, a região "é um território fértil" para novas fabricantes. Ele explica que marcas como a Xiaomi, Realme, Honor e Vivo fizeram planos ambiciosos de expansão na região, apesar dos desafios globais. 

"Os fornecedores estão se comprometendo a construir presença local investindo em novos centros de distribuição e montagem local, abrindo lojas de experiência offline e fazendo acordos de fornecimento com operadoras e varejistas em novos mercados", explicou.

Mercado de celulares da América Latina retraiu

O bloco teve movimentações notáveis na comparação anual, especialmente as marcas chinesas. Ainda assim, o resultado da região como um todo não foi positivo, já que houve uma queda de 3% entre os primeiros trimestres de 2021 e 2022. Mas é importante ressaltar que o mercado global teve uma redução de 11% no período.

"Em comparação com os desafios macroeconômicos que outras regiões estão enfrentando, muitos mercados na América Latina têm uma perspectiva relativamente otimista", disse Leyva-Cortes. "Os fornecedores mudarão as prioridades estratégicas para a região, que prevê um crescimento de 4% nas remessas de smartphones em 2022."

O analista ressalta que os players emergentes devem usar parcerias de telecomunicações para explorar mais mercados. "Para marcas mais estabelecidas na região, como Xiaomi e Oppo, as oportunidades futuras estão nos mercados mais protecionistas, pois há muita demanda não atendida, especialmente dos segmentos de consumidores mais jovens", afirmou. Confira o consolidado de resultados a seguir:

Fabricante Vendas
1º tri. de 2022
Market share
1º tri. de 2022
Vendas
1º tri. de 2021
Market share
1º tri. de 2021
Variação anual
Samsung 13,4 milhões 43% 13,6 milhões 43% -2%
Lenovo/Motorola 5,5 milhões 18% 6,9 milhões 22% -20%
Xiaomi 4,3 milhões 14% 3,6 milhões 11% +18%
Apple 1,5 milhão 5% 1,3 milhão 4% +16%
Oppo 1 milhão 3% 0,7 milhão 2% +34%
Outras 5,3 milhões 17% 5,6 milhões 18% -6%
Total 31 milhões 100% 31,8 milhões 100% -3%

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários