Tamanho do texto

Startup desenvolve celular inteiro sensível ao toque; tecnologia pode ser aplicada em diversos materiais, como couro, metal e madeira

Olhar Digital

celular arrow-options
shutterstock
Startup desenvolve celular todo sensível ao toque


Celulares que utilizam a tecnologia Touchscreen já não são novidade. Mas em vez de disponibilizar o recurso em uma parte determinada do dispositivo, a startup Sentons planeja construir um telefone com toda a superfície sensível ao toque humano

A empresa na verdade já possui um telefone com a tecnologia: o Asus ROG Phone II , específico para jogos. Ele possui "gatilhos de ar" na parte superior, que são zonas de toque sensíveis à pressão. Os hápticos vibrantes dão feedback quando pressionados. Assim, em um jogo de tiro, por exemplo, as zonas de gatilho são tão úteis quanto os botões analógicos. 

Leia também: Touch Screen: conheça diferentes métodos para deixar sua tela brilhando

No entanto, a Sentons pretende expandir a tecnologia para além dos games , pois, de acordo com a startup , ela pode funcionar em qualquer superfície ou forma e utilizando uma variedade ampla de materiais, como metal, couro e até madeira. A sensibilidade à pressão pode variar de 5 gramas para 5 quilos. 

A tecnologia utiliza transdutores que funcionam sob o corpo de um telefone ou outro dispositivo . Os pings ultrassônicos formam um mapa da superfície do dispositivo e podem detectar pressão, toque e começar a entender contextos de uso, como por exemplo se a pessoa está segurando o telefone ou não. Existe a possibilidade dela ser integrada em roupas inteligentes , semelhante ao que o Jacquard do Google faz.

Leia também: Você olha o seu celular mais de 200 vezes por dia, entenda porquê isso acontece

A novidade está prevista para ser implantada em alguns celulares até o final do ano. Ela também é à prova d'água , por isso pode ser fundamental para substituir botões em câmeras subaquáticas ou relógios de mergulho. Até mesmo o contato com luvas parece não ser um problema. No entanto, Jess Lee, CEO da Sentons, afirmou que uma das maiores dificuldades vai ser trabalhar com gel.