Tamanho do texto

Levantamento foi feito pela consultoria inglesa Tecmark; Outro estudo aponta que aparelho é tocado, em média, 2.600 vezes por dia

moça olhando o smartphone arrow-options
shutterstock
Ex-executivos do vale do silício alertam para os riscos da dependência no celular

Mais da metade da população do mundo (51,9%), ou cerca de quatro bilhões de pessoas, possuem um telefone celular, segundo uma estimativa da empresa sueca Ericsson. E a dependência dos humanos nesses pequenos aparelhos que cabem no bolso só tem aumentado.

É só encostar: saiba como usar o celular para fazer pagamentos

De acordo com um pesquisa realizada pela consultoria inglesa Tecmar, as pessoas pegam seus aparelhos celulares, em média 221 vezes por dia . Outro estudo, desenvolvido pela empresa de pesquisa Dscout Research, mostra que o aparelho recebe, em média, 2.600 toques diários de seu proprietário. As informações são da revista SuperInteressante.

“O smartphone é tão viciante quanto uma máquina caça-níqueis ”, afirma o americano Tristan Harris, na reportagem. O caça-níqueis, de acordo com Harris, é o jogo que mais causa dependência: vicia três a quatro vezes mais rápido que outros tipos de aposta.

Celular fica travando? Confira dicas para liberar espaço

Harris trabalhou cinco anos no Google e saiu da empresa para fundar, junto com outros programadores, a ONG Center for Human Technology, que estuda o impacto da indústria da tecnologia na vida das pessoas.

“A internet é a maior máquina de persuasão e vício já construída”, diz o programador Aza Raskin. Ele inventou em 2006 a “rolagem infinita”, aquele recurso que quanto mais você desce a tela, mais conteúdo aparece.

Raskin reconhece o poder viciante de sua invenção e se arrepende. Tanto que ele também participa atualmente do  Center for Human Technology. “A pergunta que nós nos fazemos no Vale do Silício é: estamos programando apps ou pessoas?”, diz Raskin.

Sean Parker, um dos fundadores e primeiro CEO do Facebook, afirmou, em um debate em 2018, que os executivos da rede social sabiam o que estavam fazendo.

“Nós exploramos uma vulnerabilidade da psicologia humana. Eu, Mark (Zuckerberg), Kevin Systrom (criador do Instagram), todos nós entendemos isso, conscientemente, e fizemos mesmo assim”, afirmou. “Só Deus sabe o que estamos fazendo com o cérebro das crianças ”, afirmou Parker na mesma oportunidade.

Brasil

jovem no celular arrow-options
Pixabay/Creative Commons
Entre brasileiros, 30% tentou diminuir o uso do celular e não conseguiu, diz Deloitte

Se você acha que essa realidade está distante de você, pense duas vezes. Uma pesquisa feita pela consultoria Deloitte com 2 mil brasileiros constatou que 30% das pessoas disseram que têm problemas com o uso excessivo do smartphone,  como dificuldade de concentração ou insônia.

Sem Google, Huawei lança seu mais poderoso e polêmico smartphone

O mesmo estudo apontou que 32% já tentaram  diminuir o uso do smartphone e não conseguiram. Outra demonstração desse fenômeno é uma pesquisa do Hospital Samaritano de São Paulo que revelou que oito em cada dez motoristas usam celular enquanto dirigem, embora 93% deles reconheçam que isso é perigoso.

    Leia tudo sobre: Facebook