Olhar Digital

Google arrow-options
Reprodução
Sundar Pichai pede regulamentação da inteligência artificial


Sundar Pichai , CEO da Alphabet e do Google , solicitou novas regulamentações no mundo da inteligência artificial , destacando os perigos da tecnologia, como reconhecimento facial e deepfakes , enfatizando que qualquer legislação deve equilibrar "danos potenciais com oportunidades sociais".

"Não há dúvidas de que a inteligência artificial precisa ser regulamentada. É muito importante fazer isso", escreveu Pichai em um editorial no The Financial Times . Mesmo assim, deixou uma pergunta no ar: "Como lidar com isso?".

Leia também: O que é Deepfake? Saiba como funciona e porque tecnologia pode afetar a política

Embora Pichai diga que um novo regulamento é necessário, ele também defende uma abordagem cautelosa, que pode não ter muitos controles significativos sobre a inteligência artificial . Ele observou que "novas regras apropriadas" devem ser introduzidas para alguns produtos, como carros autônomos. Mas em outras áreas, como atendimento médico, as estruturas existentes podem ser expandidas para abranger produtos assistidos por IA.

Ele acrescentou ainda que a IA "pode aumentar o conhecimento, o sucesso, a saúde e a felicidade das pessoas". Contudo, alertou que "a história está cheia de exemplos de como as virtudes da tecnologia não são garantidas".

Leia também: Google é acusado de roubar tecnologia já patenteada

"Empresas como a nossa não podem simplesmente construir novas tecnologias promissoras e deixar as forças do mercado decidirem como serão usadas", disse Pichai. "É igualmente importante para nós garantirmos que a tecnologia seja usada para o bem e esteja disponível para todos".

Atualmente, os Estados Unidos e a União Europeia têm planos diferentes para uma regulamentação da IA. Enquanto os EUA defendem uma regulamentação leve que evite "alcance excessivo" para incentivar a inovação, a UE considera uma intervenção mais direta, como a proibição por cinco anos do reconhecimento facial .

Leia também: Não é só multa: entenda o que acontece com as empresas que não cumprirem a LGPD

O editorial de Pichai também levantou questões não resolvidas sobre a vanguarda da abordagem do Google para a regulamentação da inteligência artificial . Por exemplo, o CEO salienta que os princípios internos da companhia proíbem certos usos da tecnologia, "como apoiar a vigilância em massa ou violar os direitos humanos". Devido a essas preocupações, o Google não vende tecnologia de reconhecimento facial.

Por fim, o Google , como os reguladores do governo, deve equilibrar a promessa e a ameaça das tecnologias de inteligência artificial .

    Veja Também

      Mostrar mais