Olhar Digital

coronavírus google microsoft
Agência Brasil
Coronavírus pode fazer Google e Microsoft deixarem a China de vez


O surto do coronavírus COVID-19 na China tem afetado a produção de diversos eletrônicos . Tesla , Foxconn e Quanta já tiveram que fechar temporariamente algumas das suas fábricas para tentar frear a contaminação da doença. Nesta quarta-feira (26), uma matéria da Nikkei Asian Review afirma que Microsoft e Google estão planejando mudar a produção de seus novos smartphones , computadores e outros dispositivos para fora da China.

Fábricas no Vietnã e na Tailândia são os prováveis destinos. De lá que deve sair o Pixel 4a do Google , a partir de abril. A Nikkei cita duas pessoas com cargo de diretoria como fontes, que ainda afirmam que a empresa planeja iniciar a fabricação dos seus produtos voltados para smart home na Tailândia, e do Pixel 5 no segundo semestre de 2020, no Vietnã.

Leia também: Com coronavírus, Samsung e Motorola pausam produção de celulares no Brasil

Já a Microsoft levará para o país do Sudeste Asiático a produção da linha Surface , que inclui notebooks e desktops , também no segundo trimestre. "O volume seria pequeno no começo, mas a produção aumentará e é essa a direção que a Microsoft deseja", disse um executivo da cadeia de suprimentos com conhecimento ao site.

Porém, o movimento do Google para sair da China começou no ano passado, quando a empresa pediu a um de seus parceiros que convertesse uma antiga fábrica da Nokia no norte do país, para lidar com a produção de telefones Pixel . A ideia era fugir das limitações comerciais que o governo dos Estados Unidos impôs às empresas chinesas.

Leia também: Google alerta que seus aplicativos não são seguros em dispositivos da Huawei

O Google até pediu a seus fornecedores que avaliassem as implicações de custos e viabilidade para desinstalar alguns equipamentos de produção e enviá-los da China para o Vietnã por transporte terrestre, marítimo ou aéreo, depois que o medo de vírus deixar as instalações de produção impossibilitadas de retornar imediatamente ao trabalho em fevereiro.

Não houve nenhuma declaração oficial de ambas as empresas para confirmar estes rumores.

    Veja Também

      Mostrar mais