Olhar Digital

LinkedIn arrow-options
Reprodução
LinkedIn testa recurso de Stories


Diferentemente das redes sociais como Facebook , Twitter , Instagram e Snapchat , a proposta do LinkedIn soa mais como uma mistura de currículos e uma feira de empregos online. Entretanto, para esse ambiente se tornar um pouco mais dinâmico e leve, a rede social da Microsoft informou que está realizando testes para a implementação de  Stories  semelhantes ao do  Snapchat .

O objetivo do novo recurso, que está em fase de teste interno, é o de experimentar um "novo formato de conversação" para os usuários. Para Pete Davies, chefe de produtos de conteúdo do LinkedIn , a implementação fará com que as empresas possam compartilhar conteúdos mais leves e casuais para interagir com seus seguidores.

Leia também: Instagram lança ferramenta para adicionar várias fotos no mesmo Story; veja como

Atualmente, o único tipo de interação ocorre com a postagem de textos corporativos em uma linha do tempo. A partir disso, as pessoas interagem com as postagens via reações, de forma semelhante as que estão presentes no  Facebook .

Em uma breve análise, é possível deduzir quer o  LinkedIn  está procurando maneiras de mudar sua identidade corporativa, se tornando uma rede social atraente para que os usuários façam mais coisas do que simplesmente interagir em um ambiente mais sério.

Leia também: Paquera mais moderna: Facebook Dating lança recurso de Stories no Brasil

Tecnicamente, essa não é a primeira vez que a plataforma testa um recurso para aproximar seus usuários de maneira um pouco mais descontraída. Em 2018, a rede social experimentou  a ferramenta "Student Voices", porém a ideia não deu muito certo. Nela, estudantes universitários poderiam publicar vídeos em uma espécie de 'lista de reprodução' localizada no topo do aplicativo .

Ainda não há informações de que o  LinkedIn  irá permitir a postagem de  Stories  para o público em geral. Os testes internos ainda não foram concluídos, mas já há planos para testes públicos mais amplos "nos próximos meses".

    Veja Também

      Mostrar mais