Jobs e o primeiro iPad, lançado em janeiro de 2010
Getty Images
Jobs e o primeiro iPad, lançado em janeiro de 2010

Uma troca de e-mails de 2011 revelada nesta terça-feira (4) pelo canal de televisão estadunidense CNBC mostra que Steve Jobs , fundados da Apple , apelidou o Facebook de "Fezesbook" (em inglês "Fecebook"). O e-mail em questão está sendo utilizado pela Epic Games em um processo contra a Apple .

Na ocasião, o Facebook não criou um aplicativo dedicado para o iPad , que tinha sido lançado um ano antes. De acordo com a rede social de Mark Zuckerberg , a App Store (loja de aplicativos da Apple) não permitia que aplicativos já existentes incorporassem aplicativos de terceiros em seus códigos. Como o Facebook investia muito em jogos dentro da rede social, ele queria que o aplicativo no iPad redirecionasse os usuários a outros, como o Farmville, que não tinham passado pelo crivo da Apple.

De acordo com e-mails trocados em julho de 2011, o então diretor de software da Apple, Scott Forstall, escreveu para Steve Jobs e para o diretor de marketing, Phil Schiller, sobre uma conversa que teve com "Mark" (se presume que trata-se de Zuckerberg), na qual o avisou que o aplicativo do Facebook não seria aprovado nessas condições.

“Sem supresa alguma, ele não ficou feliz, pois considera esses apps como parte de ‘toda a experiência do Facebook’. Ele não tem certeza se eles devem fazer um aplicativo para iPad sem esses apps”, escreveu Forstall. No texto, ele diz que Zuckerberg disse que poderia impedir que aplicativos terceiros rodassem em modo de navegador dentro do Facebook mas que, em contrapartida, a Apple teria que permitir que os usuários pudessem clicar em links dentro do Facebook que os levariam ao navegador Safari, à App Store ou a apps já instalados no iPad.

“Se nós eliminarmos essa terceira proposta do Fezesbook, soa razoável”, respondeu Jobs. Três dias depois, Forstall escreve novamente dizendo que Zuckerberg não gostou de ter sua ideia barrada. O engenheiro também encerrou a discussão na troca de e-mails: "Eu não vejo motivo para querermos fazer isso. Todos esses aplicativos não serão nativos, não terão um relacionamento ou licença conosco, não iremos aprová-los, não irão usar nossas APIs ou ferramentas nem as nossas lojas, etc". Em outubro de 2011, o aplicativo do Facebook chegou ao iPad seguindo as regras da Apple .

Os e-maisl vieram à tona porque a Epic Games os apresentou para defender seu caso diante da Apple . A empresa e outras, como Facebook e Spotify , acusam a gigante de tecnologia de práticas anticompetitivas em sua loja de aplicativos.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários