Olhar Digital

Facebook arrow-options
shutterstock
Facebook vai excluir mentiras sobre coronavírus


Para combater a disseminação de informações falsas sobre a epidemia do coronavírus , o Facebook  disse que vai passar a eliminar qualquer conteúdo que possa induzir o usuário ao erro. O principal alvo da rede social são os anúncios que prometem uma "cura" para a doença .

"Implementamos recentemente uma política para proibir anúncios que se referem ao coronavírus e criam um senso de urgência, além de prometer uma cura ou prevenção", declarou um porta-voz da rede social em entrevista ao Business Insider .

No fim de janeiro, a rede social declarou que trabalhava em medidas para impedir o compartilhamento de conteúdo prejudicial sobre o vírus . O principal objetivo é conectar as pessoas às informações verdadeiras e que podem ser úteis.

Leia também: China usa inteligência artificial para detectar coronavírus; veja como funciona

Foi informado que seriam adotadas práticas que incluíam verificadores de fatos para identificar informações errôneas sobre o vírus e remover conteúdo com "alegações falsas ou teorias da conspiração". Recentemente, veio à tona uma teoria da conspiração dizendo que o  5G é o principal responsável pelo coronavírus . E é exatamente esse tipo de conteúdo que o Facebook quer combater.

Combate às fakes news

No passado, a rede social foi criticada por sua posição em relação às informações falsas compartilhadas na plataforma. No entanto, a abordagem ao conteúdo baseado no coronavírus é semelhante à posição adotada durante o período de disseminação de conteúdo antivacina.

Leia também: Com coronavírus, MIUI 11 atrasa em alguns smartphones da Xiaomi; veja quais

A ação do Facebook segue a de algumas outras empresas em seus esforços para combater as informações falsas sobre o coronavírus. A Amazon também adotou uma postura semelhante, ao remover de sua plataforma produtos falsificados que prometem tratar ou curar a doença.

Além da venda de mercadorias clandestinas, houve um aumento nas infeções por malware  e compartilhamento de spam relacionados ao surto, incluindo sites que prometem "testes de detecção", bem como vírus que supostamente relatam a disseminação da doença no Japão, mas levam pessoas a baixar um anexo de e-mail malicioso.

    Leia tudo sobre: Facebook

    Veja Também

      Mostrar mais