Mark Zuckerberg, CEO da Meta
Reprodução
Mark Zuckerberg, CEO da Meta

A Meta, antes conhecida como Facebook,  sofreu sua maior perda em um dia na quinta-feira (3), quando suas ações despencaram 26% e seu valor de mercado caiu US$ 251,3 bilhões.

A queda ocorreu após a divulgação na quarta-feira do resultado da empresa, quando o seu presidente-executivo, Mark Zuckerberg, explicou como o Facebook estava navegando em uma transição complicada das redes sociais para o chamado mundo virtual do metaverso. Na quinta-feira, um porta-voz da empresa reiterou as declarações de seu anúncio de lucros e se recusou a comentar mais.

Veja as seis razões da crise da Meta:

  • 1. O crescimento do número de usuários atingiu um teto

Os dias de crescimento selvagem de usuários ativos do Facebook chegaram ao fim. Embora a empresa tenha registrado na quarta-feira ganhos modestos em novos usuários em sua chamada família de aplicativos – que inclui Instagram, Messenger e WhatsApp – seu principal aplicativo de rede social, o Facebook, perdeu cerca de meio milhão de usuários no quarto trimestre do ano passado em relação ao trimestre anterior.

É o primeiro declínio desse tipo registrado pela empresa  em seus 18 anos de história, período em que praticamente foi definido por sua capacidade de atrair cada vez mais novos usuários.

A queda sinalizou que o aplicativo principal pode ter atingido seu pico. A taxa de crescimento trimestral de usuários do Meta também foi a mais lenta em pelo menos três anos.

Os executivos da Meta apontaram outras oportunidades de crescimento, como abrir a ''torneira'' do dinheiro no WhatsApp, o serviço de mensagens que ainda não gerou receita substancial. Mas esses esforços são incipientes.

Os investidores provavelmente examinarão em seguida se os outros aplicativos da Meta, como o Instagram, podem também começar a atingir o topo no crescimento de novos usuários.

  • 2. As mudanças da Apple estão limitando a Meta

No ano passado, a Apple introduziu mudanças em sua política de privacidade, essencialmente dando aos proprietários do iPhone a opção de permitir ou negar que aplicativos como o Facebook monitorem suas atividades on-line. Esses movimentos de privacidade acabaram prejudicando os negócios da Meta , o que provavelmente continuará acontecendo.

Como agora o Facebook e outros aplicativos devem pedir explicitamente às pessoas permissão para rastrear seu comportamento, muitos usuários optaram por não permitir este rastreio. Isso significa menos dados de usuários para o Facebook, o que dificulta a segmentação de anúncios – uma das principais formas de a empresa ganhar dinheiro.

Duplamente doloroso é que os usuários do iPhone são um mercado muito mais lucrativo para os anunciantes do Facebook do que os usuários de aplicativos Android. As pessoas que usam iPhones para acessar a internet normalmente gastam mais dinheiro em produtos e aplicativos que lhes são oferecidos a partir de anúncios para celular.

Na quarta-feira, a Meta informou que as mudanças da Apple custariam US$ 10 bilhões em receita no próximo ano.

A empresa criticou as mudanças da Apple e disse que elas são ruins para pequenas empresas que dependem de publicidade na rede social para chegar aos clientes. Mas é improvável que a Apple reverta suas mudanças de privacidade, e os acionistas da Meta sabem disso.

  • 3. Google está roubando compartilhamento de publicidade on-line

Os problemas da Meta têm sido vantajosos para seus concorrentes. Na quarta-feira, David Wehner, diretor financeiro da Meta, observou que, como as mudanças da Apple deram aos anunciantes menos visibilidade dos comportamentos dos usuários, muitos começaram a mudar seus orçamentos de anúncios para outras plataformas. Ou seja, para o Google.

Na teleconferência sobre os resultados do Google esta semana, a empresa registrou vendas recordes, principalmente em sua publicidade de pesquisa de comércio eletrônico. Essa foi a mesma categoria que a Meta tropeçou nos últimos três meses de 2021.

Ao contrário do Meta, o Google não depende muito da Apple para obter dados do usuário. Wehner disse que é provável que o Google tenha "muito mais dados de terceiros para fins de medição e otimização" do que a plataforma de anúncios da Meta.

Leia Também

Wehner também apontou o acordo do Google com a Apple para ser o mecanismo de busca padrão para o navegador Safari, da Apple. Isso significa que os anúncios de pesquisa do Google tendem a aparecer em mais lugares, recebendo mais dados que podem ser úteis para os anunciantes. Esse é um grande problema para a Meta a longo prazo, especialmente se mais anunciantes mudarem para os anúncios de pesquisa do Google.

  • 4. TikTok e Reels são um enigma

Por mais de um ano, Zuckerberg apontou o quão formidável o TikTok tem sido como inimigo. O aplicativo apoiado pela China cresceu para mais de 1 bilhão de usuários por causa de suas postagens de vídeo curtas altamente compartilháveis e estranhamente viciantes. E está competindo ferozmente com o Instagram, da Meta, pela atenção dos usuários.

Meta ''clonou'' o TikTok com um recurso de produto de vídeo chamado Instagram Reels. Na quarta-feira, na teleconferência com acionistas, Zuckerberg disse que o Reels, que está em destaque nos feeds das pessoas no Instagram, é atualmente o principal impulsionador de engajamento em todo o aplicativo.

O problema é que, embora os Reels possam atrair usuários, eles não ganham dinheiro tão efetivamente quanto os outros recursos do Instagram, como Stories e o feed principal. Isso ocorre porque é mais lento ganhar dinheiro com anúncios em vídeo, já que as pessoas tendem a ignorá-los. Isso significa que quanto mais o Instagram empurra as pessoas para o uso de Reels, menos dinheiro pode ganhar com esses usuários.

Zuckerberg comparou a situação com uma época semelhante registrada há vários anos, quando o Instagram introduziu o Stories, que era um clone do Snapchat. Esse produto também não rendeu tanto dinheiro para a empresa quando foi lançado, embora os dólares de publicidade eventualmente tenham continuado a entrar nos cofres da empresa. Ainda assim, não há garantia de que o Instagram Reels possa repetir essa mágica.

  • 5. Gastando com o metaverso feito louco

Zuckerberg acredita tanto que a próxima geração da internet é o metaverso – um conceito ainda nebuloso e teórico que envolve pessoas se movendo por diferentes mundos de realidade virtual e aumentada – que ele está disposto a gastar muito com isso.

Tão disposto que os gastos somaram mais de US$ 10 bilhões no ano passado. Zuckerberg espera gastar ainda mais no futuro. No entanto, não há evidências de que a aposta será recompensada.

Ao contrário da mudança do Facebook para dispositivos móveis em 2012, o uso da realidade virtual ainda é um nicho de amadores e precisa realmente entrar no mainstream. Os fones de ouvido de realidade aumentada amplamente difundidos também estão a meses — se não anos — de distância.

Em essência, Zuckerberg está pedindo aos funcionários, usuários e investidores que tenham fé nele e em sua visão do metaverso. Essa é uma grande demanda por algo que custará bilhões à empresa nos próximos anos e que pode nunca se concretizar.

  • 6. O espectro do antitruste se aproxima

A ameaça de órgãos reguladores em Washington à empresa de Zuckerberg é uma dor de cabeça que simplesmente não termina. A Meta enfrenta várias investigações, inclusive de uma Comissão Federal de Comércio e de vários procuradores gerais estaduais, sobre se agiu de maneira anticompetitiva. Os legisladores também se uniram em torno dos esforços do Congresso para aprovar leis antitruste.

Zuckerberg argumentou que o Meta não é um monopólio de rede social. Ele apontou furiosamente para o que chama de "níveis de competição sem precedentes", incluindo TikTok, Apple, Google e futuros oponentes.

Mas a ameaça de ação antitruste tornou mais difícil para a Meta buscar opções para novas tendências de redes sociais.

No passado, o Facebook comprou o Instagram e o WhatsApp com pouco escrutínio, pois esses serviços conquistaram bilhões de usuários. Agora, mesmo algumas das aquisições aparentemente menos controversas da Meta em realidade virtual e GIFs foram contestadas por reguladores globalmente.

Com a possibilidade menos provável de fazer negócios, o ônus está na capacidade da Meta inovar para sair de qualquer desafio.

No passado, Zuckerberg poderia ter recebido o benefício da dúvida de que seria capaz de fazê-lo. Mas pelo menos na última quinta-feira, a fé estava em falta em Wall Street.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários